Granada é uma cidade magnífica. Encontra-se na Andaluzia que é uma comunidade autónoma de Espanha, localizada no sul do país. É uma região carismática e na minha opinião, extremamente interessante do ponto de vista paisagístico e histórico.

Toda a região da Andaluzia esteve ocupada pelos árabes durante vários séculos e o último reduto de toda a península ibérica foi Granada. Só em 1492 e depois de vários anos de luta, é que os reis católicos conseguiram reconquistar a cidade aos árabes.

O seu enquadramento paisagístico é perfeito. A cidade fica a cerca de 20 km da Serra Nevada, a 3ª maior cadeia montanhosa da Europa. O pico chega aos 3482 metros. O Alhambra, o monumento mais conhecido e o símbolo de Granada, encontra-se no topo de uma colina de nome al-Sabika, a aproximadamente 700 metros de altitude e tem a Serra Nevada como enquadramento. É perfeito.

A colina localiza-se na margem do rio Darro, a oeste de Granada. Do lado oposto do rio encontram-se os famosos bairros de Albaicin e Alcazaba.

Acredite que a 1ª impressão que vai ter do Alhambra vai ser magnífica, mas o verdadeiro encanto é o interior…. Quase em qualquer altura do ano existem imensas pessoas a querer visitar. Faço como eu, acorde de madrugada e vá para a fila. Vale a pena 😉

O que quer dizer Alhambra?

O nome de Alambra tem origem no árabe “qa,lat al-Hamra”, que significa castelo vermelho. Portanto, o seu nome está relacionado com o facto de as suas paredes serem avermelhadas.

O que é o Alhambra?

O complexo do Alhambra é a cidadela árabe mais espetacular do mundo. É uma cidade com muralhas onde se encontram aposentos reais, imensos jardins, pátios e muitas outras coisas.

 Quem construiu o Alhambra?

As primeiras referências ao Alhambra são do século IX, onde existe referência a uma fortaleza. Mas foi um pouco mais tarde, já no século XIII com a dinastia Nasrida que o Alhambra foi ocupado pela família real. Mohammed ben Al-Hamar foi o 1º rei desta dinastia e foi ele o 1º a ocupar o complexo. E com este evento começou a período glorioso do Alhambra.

Ao longo do tempo outros reis lhe sucederam e foram sendo realizadas alterações ao Alhambra. Mesmo depois de Granada ter sido reconquistada pelos reis cristãos, continou a ser alvo de algumas modificações. Uma parte foi demolida, tendo o espaço sido substituído pelo Palácio Carlos V e surgiram áreas novas como as Câmaras do Imperador e o Vestiário da Rainha.

No século XVIII no decorrer da ocupação francesa, ocorreu uma explosão no Alhambra o que provocou sérios estragos. A partir do século seguinte começaram as ações de recuperação, que continum até aos dias de hoje.

O que podemos ver no Alhambra?

No interior do Alhambra podemos visitar 4 áreas distintas, sendo elas, a Alcazaba, o Palácio Carlos V, o Generalife e o Palácio Nasrid.

1 – Alcazaba

O conjunto formado pela Alcazaba e pelas as torres Bermejas é a parte mais antiga de todo o complexo, sendo do século IX. Esta citadela tinha como objetivo vigiar e controlar a cidade de Granada. As torres Bermejas, que devem o seu nome à cor das suas paredes, pertenciam a um conjunto de torres de vigia, que eram a torre de la Quebrada, del Homenaje e de la Vela.

Estas torres foram as primeiras defesas militares da cidade e uniram-se à Alcabaza algum tempo depois de serem construídas. Foi já enquanto conjunto que se uniram através de uma muralha ao Alhambra.

De toda esta zona, temos uma vista soberba para o restante complexo do Alhambra e para a magnífica cidade de Granada.

Alcazaba

Alcazaba

Alcazaba

Alcazaba

2 – Palácio Carlos V

O Palácio Carlos V é uma das obras mais importantes realizadas na época do Renascimento. O rei de Espanha e imperador da Alemanha, D. Pedro V visitou Espanha no decorrer da sua lua-de-mel. Gostou tanto que escolheu Granada para morar e mandou construir um magnífico palácio no Alhambra para essa finalidade.

O arquiteto responsável pela obra foi Pedro Machuca, que foi formado no meio artítsico de Roma, tendo sido discípulo de Miguel Ângelo. E devido a esta influência criou algo totalmente inovador em Espanha. A particularidade mais interessante é que o palácio tem um fomato redondo no interior, apesar das paredes externas apresentarem um forma quadrada.

Atualmente no Palácio Carlos V existe o museu de Belas Artes e o do Alhambra. Carlos V acabou por nunca conseguir morar no espaço que mandou construir….

Palácio Carlos V

Palácio Carlos V

Palácio Carlos V

Palácio Carlos V

3 –Generalife

O Generalife era um local de descanso e lazer para os reis e sultões de Granada, assim como a sua área agrícola. O seu nome significa jardim de arquiteto, o que remonta às suas origens, antes de ser património real.

Neste espaço existem 2 edíficos ligados através do Patio de la Acequia, que é um dos locais mais emblemáticos e fotografados de todo o Alhambra. Neste patio existe o canal de irrigação real que encaminha água para os jardins e para todo o complexo.

É pura magia todo conjunto de factores como ambiente, som da água, estilo árabe, luz e plantas.

Generalife

Generalife

Generalife

Generalife

4 – Palácios Nasridas

Os Palácios Nasridas eram a antiga residência dos sultões e são o coração de todo o complexo do Alhambra.

Aqui podemos encontrar algumas construções cristãs (como a sala do Imperador), mas a zona principal e mais famosa é composta por estes 3 palácios:

  • Mexuar ou Meshwar – é a zona mais antiga. Este espaço servia para a realização de reuniões dos ministros do rei e também como tribunal;
  • Comares – era a residência oficial do sultão e é onde se encontra a sala do trono. Tem um belissímo lago;
  • dos Leões – este é o palácio mais emblemático, por ter o pátio central com os leões e o miradouro Daraxa.

Palácios Nasridas

Palácios Nasridas

Palácios Nasridas

Palácios Nasridas

O mais dificil é entrar nestes palácios, às 6h30 da manhã já eu estava na fila para conseguir entrar! Não há hora marcada para entrar no Alhambra mas nos Palácios Nasridas sim. Mas valeu muito a pena, é uma maravilha. Adorei.

Uma vez li que por vezes o todo é mais do que a soma das partes. O Alhambra é assim

Pin It on Pinterest

Share This