A Basílica Santuário Senhor do Bonfim é um dos locais mais conhecidos e visitados de Salvador da Bahia, no Brasil.

A história desta igreja começou em 1669 quando foi erguida em Setúbal (Portugal), uma ermida chamada Anjo da Guarda. Mais tarde passou a ser chamada de Igreja do Senhor do Bonfim.

D. João V fez uma promessa pela saúde do seu pai, o rei português D. Pedro II ao Senhor do Bonfim e desta forma começou a ser mais conhecido. De acordo com a devoção católica o Senhor do Bonfim é uma figuração de Jesus Cristo na visão da sua morte. Esta devoção encontra-se ligada a momentos de grandes crises e catástrofes naturais.

Anos mais tarde o navegador Theodósio Rodrigues de Faria, crente também no Senhor do Bonfim, fez uma promessa quando estava no mar, durante uma tempestade. Ele prometeu que se sobrevivesse traria de Portugal as imagens do Senhor do Bonfim (de Setúbal) e da Nossa Senhora da Guia. E assim foi.

Em 1745 trouxe uma réplica da imagem que se encontrava na ermida de Setúbal e iniciou-se a construção da Igreja do Senhor do Bonfim.

Inicialmente a imagem esteve na Capela de Nossa Senhora da Penha de França de Apagipe de Baixo, tendo no ano de 1754 sido colocada na colina do Bonfim. A passagem da imagem de um templo para o outro fez-se com uma procissão.

No ano seguinte à conclusão das obras da Igreja do Bonfim iniciou-se a famosa Lavagem do Bonfim, é a 2ª maior manifestação popular logo a seguir ao Carnaval. Ocorre todas as segundas 5ª feiras de janeiro.

Inicialmente começou por ser uma lavagem da Igreja pelos escravos. Ao longo do tempo esse ritual passou a ser realizado no exterior da Igreja. Atualmente as baianas abrem o cortejo e despejam vasos de água com cheiro no adro da igreja e nas cabeças dos fiéis.

Muito conhecidas e associadas ao Bonfim e a Salvador, são as fitinhas do Bonfim. Foram criadas em 1809 e eram conhecidas por Medida do Bonfim. Mediam 47 cm, que era o tamanho do braço direito da estátura do Senhor do Bonfim.

A fitinha era confecionada em seda e usada como colar. Ao longo do tempo passou a ter forma e confeção diferente e a ser usada no pulso. Hoje em dia existem fitinhas de várias cores e cada uma delas tem um significado diferente.

Eu já andei por Salvador e gostei bastante da cidade. Gostei muito do ambiente, da comida, da música e das pessoas. O bairro do Pelourinho é muito interessante e cheio de história! Eu estive lá este ano, na altura do Carnaval. Foi o máximo 🙂

Para saber mais sobre o centro histórico de Salvador leia http://viajarpelahistoria.com/pelourinho-salvador-bahia/

Pin It on Pinterest

Share This