O templo mais antigo de Chiang Mai

O templo mais antigo de Chiang Mai

Chiang Mai é a segunda maior cidade da Tailândia e a capital da província com o mesmo nome.

Localiza-se no vale do Rio Ping, numa zona montanhosa, a cerca de 700 km de Banguecoque. Tem mais de 300 templos, quase o mesmo número dos que existem na capital. Por existirem tantos templos, é considerada a capital espiritual da Tailândia.

História de Chiang Mai

A história desta cidade é bem diferente de Banguecoque ou Ayutthaya, as outras cidades sobre as quais eu já falei. Pertenciam a reinos diferentes e por isso a sua história é um pouco distinta.

A cidade de Chiang Mai pertencia ao Reino de Lan Na, o Reino de Milhões de Campos de Arroz.

Em 1296 Chiang Mai foi fundada e tornou-se capital do Reino de Lan Na durante 472 anos.

Sofreu algumas lutas contra os outros reinos existentes na sua proximidade, como o de Ayutthaya, tendo acabado por ser ocupado pelos birmaneses. Para tentar proteger a cidade foi construído um muro em volta da cidade (ainda hoje o vemos).

Os birmaneses permaneceram durante 200 anos até à existência de uma revolta da população. Seguidamente, o Reino de Lan Na tornou-se um estado do Reino de Sião. No entanto, esta influência birmanesa é visível ainda nos nossos dias nesta zona do norte da Tailândia.

Além dos inúmeros templos, Chiang Mai tem muitas outras atrações que passam por atividades relacionadas com desporto, compras, bem estar ou com a natureza. É possível realizar visitas ao parques de elefantes e tigres, para quem gostar.

O templo mais antigo de Chiang Mai é o Wat Chiang Man, que se localiza no interior da área muralhada. Foi construído logo após a fundação da cidade, em 1297. O Rei que teve a ideia de construir este templo budista viveu no seu interior para que pudesse supervisionar a construção da nova capital do reino Lan Na.

Existem vários edifícios principais no templo. De seguida, indico quais.

Salas de meditação

Existem duas salas de meditação. A sala maior tem uma fachada lindissima de ouro e abriga uma estátua de Buda, que é a mais antiga da cidade. Data de 1465.

A sala de meditação mais pequena tem no seu interior duas imagens de Buda. Os tailandeses acreditam que a imagem de cristal tem o poder de proteger contra catástrofes. A outra imagem foi esculpida em pedra no Sri Lanka no século XVIIIe acredita-se que tem o poder de invocar a chuva.

Na entrada da sala de meditação mais pequena existem duas nagas esculpidas.

Chedi Chang Lom

Este chedi é uma stupa em cuja base se encontram gravad 15 elefantes. É feito em pedra e o seu topo em ouro.

Ubosot

É o local onde os monges eram ordenados. O edifício é de madeira e pintado em várias cores. À frente do Ubosot encontra-se uma pedra, one está incrito a data de fundação da cidade de Chiang Mai.

Chiang Mai é uma cidade muito bonita e interessante e com uma história um pouco diferente da caóitca Banguecoque. Para perceber um pouco do país é necessário uma deslocação aqui, até ao norte do país. Esta zona foi outro reino, vai notar diferenças em vários aspetos, até na comida.

O Wat Chiang Man até pode não ser o mais interessante da cidade, mas foi o primeiro e tem alguns pormenores que são magníficos. Eu recomendo ir até lá e visitar. Fica mesmo no coração de Chiang Mai.

O Grande Palácio Real de Banguecoque

O Grande Palácio Real de Banguecoque

Um dos locais mais fascinantes de Banguecoque é o Grande Palácio Real (doravante Palácio apenas). Localiza-se na margem do rio Chao Phraya,onde viviam algumas pessoas que foram deslocadas para uma área que é hoje a Chinatown.

O Palácio foi durante 150 anos, a morada da família real tailandesa e a sede administrativa do governo. A partir de 1925 a família Real mudou-se para o Palácio Chitralada mas alguns departamentos do governo ainda hoje continuam presentes.

A sua construção teve início em 1782, no mesmo ano em que Banguecoque se tornou capital da Tailândia. Antes tinha sido Thonburi e Ayutthaya. Para perceber um pouco melhor recomendo a leitura dos 2 últimos artigos que publiquei. (mais…)

O teatro grego de Taormina

O teatro grego de Taormina

Numa viagem à Sicília deve mesmo ir a Taormina.

É conhecida por Pérola do Mar Jónico e localiza-se no alto do monte Tauro. Do alto deste monte temos uma vista verdadeiramente espetacular.

História

Esta cidade foi fundada no ano de 396 a.C por habitantes que tiveram de fugir de Naxos que foi a primeira colónia grega de toda a Sicília. Foram estes habitantes que iniciaram a construção do teatro, tendo escavado manualmente 100.000m3 de pedra! (mais…)

A Basílica de São Marcos

A Basílica de São Marcos

A Basílica de São Marcos é a igreja mais famosa de Veneza.

Localiza-se na Praça com o mesmo nome e é um dos principais exemplos de arquitetura bizantina no país. Esta Basílica é uma atração imperdível, que fica num ponto central da ilha de Veneza.

A sua história é muito antiga.

Começou no ano de 828, quando as relíquias de São Marcos foram roubadas e trazidas de Alexandria para Veneza. Uma relíquia é um objeto pessoal ou parte do corpo de um santo que é preservado para que possa ser venerado. Neste caso a relíquia era o corpo do São Marcos. (mais…)

O Cristo Redentor do Rio de Janeiro

O Cristo Redentor do Rio de Janeiro

O Cristo Redentor localiza-se no coração do Rio de Janeiro, no Morro do Corcovado.

É a imagem brasileira mais conhecida do mundo inteiro. Em 2007 foi eleito uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno.

O Morro do Corcovado é uma montanha com 704 metros de altitude. Encontra-se inserido no Parque Nacional da Tijuca, que alberga uma floresta de 3200 hectares replantada pelo Homem. O reflorestamento deu-se após a área ter sido explorada e desmatada para a extração de madeira e plantação de café. (mais…)

Senhor do Bonfim e as famosas fitinhas

Senhor do Bonfim e as famosas fitinhas

A Basílica Santuário Senhor do Bonfim é um dos locais mais conhecidos e visitados de Salvador da Bahia, no Brasil.

A história desta igreja começou em 1669 quando foi erguida em Setúbal (Portugal), uma ermida chamada Anjo da Guarda. Mais tarde passou a ser chamada de Igreja do Senhor do Bonfim.

D. João V fez uma promessa pela saúde do seu pai, o rei português D. Pedro II ao Senhor do Bonfim e desta forma começou a ser mais conhecido. De acordo com a devoção católica o Senhor do Bonfim é uma figuração de Jesus Cristo na visão da sua morte. Esta devoção encontra-se ligada a momentos de grandes crises e catástrofes naturais. (mais…)

Pin It on Pinterest